janeiro 31st, 2018 OSTENTAÇÃO, Ô TENTAÇÃO!

O desfile é diário. Acontece nos corredores dos shoppings, nas páginas das mídias sociais, nos corredores dos templos, nos congestionamentos das praias, nos restaurantes onde se paga muito pra se comer pouco, nos eventos que parecem aqueles pastéis com pouco recheio e muito…vento, nas conversas onde se conta pouco sobre a vida enquanto se conta muita… vantagem. Ostentação, as vezes discreta, as vezes escandalosamente assanhada, todo dia ela se insinua e marca posição alimentando insatisfeitos egos.

Ostentação vem do latim “ostentare”. Significa mostrar, e sempre mostrar com excesso e orgulho as próprias realizações, as conquistas, os dons, as habilidades, até aí tudo bem, é gosto de cada um. Mas o significado de ostentar não para aí, o “mostrar” vem sempre acompanhado de holofotes que fazem questão de destacar o luxo e a riqueza em cada feito, em cada conquista. Enfim, ostentar é o ato de se exibir com grande alarde aquilo que se entende como superior, melhor, luxuoso, invejável.

Definitivamente, ostentação não combina com o evangelho. Até mesmo para os ricos fica patética tal postura social. Na real vejo poucos ricos ostentando, pessoas que chegaram lá honestamente a última coisa que fazem é ostentar, optam pela discrição e simplicidade, afinal, não precisam provar nada a ninguém. Todos são assim? Não, tem aqueles que ostentam. Mas vamos combinar, pessoas ricas de fato existem bem poucas, portanto assusta ver o imenso número de pessoas que estão fazendo da ostentação seu meio para propagar seus feitos e conquistas.

A praga não se limita as conquistas materiais apenas. Vejo muita gente ostentando nos púlpitos. Jesus veio estabelecer o seu reino entre nós, mas não faltam engenheiros, projetistas, arquitetos e donos de reinos particulares por aqui. Não faltam profetas, apóstolos, sacerdotes, pastores e mestres de si mesmos, cada um com sua própria doutrina, sua particular interpretação, seu domesticado rebanho. Em nome disso que chamam convenientemente de “minha igreja”, eles garantem seus helicópteros, jatinhos, fazendas, benesses inimagináveis pelos heróis da fé de tempos bem distantes, aqueles que sentiram na pele o que é dar a vida pelo evangelho, gente cuja única ostentação eram as marcas de Cristo pelo próprio corpo.

Ostentação, ô tentação. É tentador saber que basta uma casa nova, um carro zero, uma roupa da moda e pronto, a aceitação e aprovação social são praticamente automáticas. Se tudo isso for somado a ostentar frequentando lugares badalados, ao lado de pessoas que fazem tudo o que as filosofias culturais dizem que é moderno e descolado, dizendo sim para o que ditam como certo e verdadeiro as celebridades que vomitam como belas todas as orgias sexuais do nosso tempo, aí o tiro rumo ao alvo do sucesso é praticamente certo. Mas só “praticamente”…

Nos reinos deste mundo nada é de graça. Tudo tem um preço. Ostentar aparências, a alma, o coração, enfim, a própria vida, tem um preço muito alto. Sempre que cedemos as tentações sociais é só aguardar, ali na frente a conta chega destruindo sonhos, decepcionando as boas intenções, desfazendo frágeis amizades, sufocando esperanças, revelando e, ao mesmo tempo, matando ilusões.

Tudo isso, que bom, só encontra espaço nos reinos deste mundo. Reinos que têm seus dias contados. Reinos prestes a ruir. Reinos que ostentam o que não têm capacidade alguma de garantir. Reinos que não resistem as provas do tempo. Reinos que mentem. Tudo que está ligado a ostentação não encontra a menor brecha e nem um minúsculo espaço no reino tão claramente demonstrado por Cristo em João capítulo 13, quando ele pegou uma bacia com água, uma toalha e começou a lavar os pés dos seus discípulos. Que a gente se envolva com as águas purificadoras do Cristo, cuja maior ostentação até hoje marca a história. Uma ostentação sem luxo, riqueza ou beleza, um terrível espetáculo realizado no drama de uma cruz que não era dEle, era minha, era sua.

Paz!

Deixe seu comentário